segunda-feira


De minhas vindas ao Rio e dos temas delicados


Barra da Tijuca. Clique para ver a imagem ampliada - Foto por Adriana Paiva

Domingo de inverno na Barra da Tijuca : Atividades para todos os gostos

Avenida Sernambetiba. Foto por Adriana Paiva

No mesmo pedaço de praia: Kitesurf, frescobol, ciclismo e caminhada

Mais Rio aqui



Tempo necessário



Nos últimos dois anos, minhas vindas ao Rio tornaram-se mais freqüentes . Desta vez, contudo, os motivos não são os mesmos que me trouxeram nas outras ocasiões -- lazer, rever família , compromissos profissionais, etc..

Acho complicado usar do espaço de blogs e assemelhados para falar de assuntos pessoais dessa natureza.

Mas julguei importante trazer à luz - também para conter conjecturas em andamento - as verdadeiras razões de minha estada mais longa no Rio de Janeiro.
Antes de vir para cá passar a presente temporada na casa de meus pais, estive internada em São Paulo .

Os motivos (resumidíssimos) da minha internação por pouco mais de 15 dias: complicações decorrentes de uma anemia aguda. Meu hemograma, àquela altura, apresentava taxas inacreditáveis . No exame colhido no início da internação, a hemoglobina estava em 4.1 g/dL -- quando o saudável mínimo gira em torno de 12.0 g/dL . O chamado valor referencial para mulheres fica entre 12.0 g/dL e 16.0 g/dL .

A história sobre a anemia e seus desdobramentos todos é longa e chata. Resumo-a também: tenho vários miomas uterinos que, se não tratados com medicamento adeqüado, ocasionam sangramento contínuo.
Até que eu esteja pronta para a cirurgia de remoção desses miomas, a cada 28 dias (período que coincide com o ciclo menstrual) , preciso voltar ao ginecologista para mais uma dose de injeção . Esse tratamento, diferente de outros tantos tentados, conteve a hemorragia .

Sinto-me mais à vontade para falar do assunto, agora, que estou praticamente curada da anemia .
No último exame de sangue (feito no dia 6 de agosto ), a hemoglobina havia subido a animadores 12.9 g/dL . A notícia, claro, me deixou eufórica.
Meu ginecologista no Rio -- sou atendida por outros 2 em São Paulo --, inclusive , autorizou-me a parar com os enjoativos comprimidos mastigáveis de Noripurum (ferripolimaltose + ácido fólico).

É fato que estando perto de minha mãe, cuido-me melhor . Ela me dispensa tratamento tal como se eu nunca tivesse saído de casa. Posso dizer que também graças a esses cuidados , estou quase totalmente restabelecida .

Adoro São Paulo. Não há cidade onde me realize tanto . Mas lá, vinha levando uma vida corrida e bastante desregrada. Em São Paulo, quando não me valia de "deliverys" , saía quase todo os dias para refeições fora. Minha fissura por novidades (gastronômicas, inclusive) não vinha sendo muito saudável . Estava carecendo, é certo, de alimentação mais equilibrada. Às vezes, mergulhava tão fundo em meus afazeres profissionais, que esquecia de me alimentar.

Este período no Rio tem sido decisivo para meu restabelecimento . E a continuar nesse ritmo alentador, a cirurgia de remoção dos miomas - que farei em São Paulo - deve acontecer antes do que se planejava (final de outubro).

Penso que em meados de setembro já estarei pronta para retornar à alucinante Paulicéia.



Urca - Clique para ver a imagem ampliada - Foto por Adriana Paiva

Acima, bairro da Urca com Cristo Redentor ao fundo. Registro feito em janeiro de 2008, depois de consulta em uma das clínicas onde faço tratamento quando estou no Rio.




Marcadores: , , , , , , , , , ,

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial