sexta-feira


"Sequestro, Holofotes e Marcas - Parte 2"

O jornalista Pedro Paulo Pelicano publicou hj em sua newsletter:

"LILIAN SOLTA A BOCA"

-------------------

JORNAL DA LILIAN
http://www.terra.com.br/jornaldalilian/

08 de Fevereiro de 2002


Bom dia.

A entrevista coletiva do publicitário Washington Olivetto, ontem de manhã, foi, sem dúvida, um dos principais fatos do dia. Foi a primeira vez que ele saiu de casa desde sábado, quando acabou o martírio de 53 dias a que o sujeitou aquele bando de seqüestradores, literalmente, hediondos.

ASSESSORIA DE IMPRENSA PRIVILEGIA A GLOBO

Olivetto respondeu às perguntas de 13 jornalistas escolhidos a dedo pela Companhia de Notícias, a empresa de assessoria de imprensa contratada para a organização do evento - que, aliás, foi concorridíssimo. Em meio a 79 jornalistas inscritos para fazer perguntas, a Companhia de Notícias resolveu privilegiar a TV Globo, garantindo a dois de seus repórteres o acesso ao microfone, enquanto representantes de outros veículos de comunicação ficaram caladinhos. "Resolvemos priorizar os grandes veículos", diria depois o dono da Companhia de Notícias, João Rodarte.

E EXCLUI EDITORA ABRIL DA LISTA DOS "GRANDES VEÍCULOS"

Então tá. Sendo assim, a Editora Abril, por exemplo, não está entre os grandes veículos - pelo menos não na opinião do sr.Rodarte. Mas a Rede TV (com todo respeito) está. E os jornais impressos então? Dois puderam falar: Folha de S. Paulo e Estado de S. Paulo e olhe lá!

GLOBO É A QUE IGNORA APELO DA FAMÍLIA EM NOME DA VIDA

Resultado: premiou-se justamente a empresa que não acata o pedido das famílias para que os meios de comunicação se calem sobre o seqüestro até o desfecho do caso - uma exigência que, segundo a polícia e os parentes de pessoas que já foram seqüestradas, os bandidos costumam fazer sob a ameaça de matar a vítima. De uns tempos pra cá, a TV Globo passou a ignorar esse tipo de apelo (como ignorou, inclusive, o pedido da família de Olivetto).

Ainda que a Globo seja, como de fato é, a mais poderosa dos meios de comunicação do Brasil, pergunto-me se já não teria sido suficiente "homenageá-la" com o direito à abertura do interrogatório, o que, de fato, foi feito.

DECISÃO DE ASSESSORIA DEPÕE CONTRA TODOS; GLOBO ESTAVA CERTA

Não foi, enfim, uma atitude decente nem democrática, para dizer o mínimo. Depôs contra a própria W/Brasil, contra Washington Olivetto, que (felizmente) estava na plenitude de suas faculdades mentais e viu direitinho o que aconteceu, e depôs, principalmente, contra a equipe a quem foi delegada a tarefa de organizar a coletiva.

Só a Globo estava certa. Exerceu - e levou - o legítimo direito de pedir para fazer duas, dez, duzentas perguntas. Eu nunca vi nada igual. Nem em entrevista de presidente da República. Nem na ditadura.

Marcadores: , ,

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial